Euribor: Taxas em Portugal Continuam Elevadas

Partilhe o Artigo
sede do bce, com símbolo do euro na frente
christian-lue-J_GHl2FdtBo-unsplash

As taxas Euribor a 3 e 6 meses subiram nesta segunda-feira, a 12 meses mantém-se.

As taxas utilizadas no cálculo das prestações de crédito à habitação em Portugal estão em destaque, com a Euribor a 12 meses, a mais prevalente neste cenário, mantendo-se em 4,040%, segundo noticia do jornal ECO.

Este valor, embora estável desde sexta-feira, representa um aumento relativamente ao final de setembro, quando atingiu 4,228%, o ponto mais alto desde novembro de 2008.

De acordo com dados do Banco de Portugal referentes a setembro de 2023, a Euribor a 12 meses representa 38,1% do total de empréstimos para habitação própria permanente com taxa variável. As Euribor a seis e a três meses contribuem com 35,7% e 23,4%, respectivamente, para o panorama dos empréstimos hipotecários variáveis.

A Euribor a seis meses registrou um aumento para 4,085%, representando um acréscimo de 0,011 pontos em relação à sessão anterior. Paralelamente, a Euribor a três meses atingiu 4,002%, refletindo um aumento de 0,010 pontos, após ter alcançado, em 19 de outubro, o novo máximo de 4,002% desde novembro de 2008.

A trajetória ascendente das Euribor começou em fevereiro de 2022, quando o Banco Central Europeu (BCE) sinalizou a possibilidade de aumentar as taxas de juro devido à inflação na zona euro. A situação agravou-se com a invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro de 2022.

Na última reunião de política monetária em Atenas, em 26 de outubro, o BCE manteve as taxas de juro de referência pela primeira vez desde julho de 2022, após 10 subidas consecutivas.

A próxima reunião, marcada para 14 de dezembro, será a última deste ano.

As taxas Euribor atingiram mínimos históricos em dezembro de 2021, com valores de -0,605%, -0,554%, e -0,518% para os prazos de três, seis e 12 meses, respetivamente. Estas taxas são determinadas pela média das taxas de empréstimo entre 19 bancos da zona euro no mercado interbancário. O cenário atual destaca a importância de monitorar de perto o impacto dessas taxas nas prestações de crédito à habitação em Portugal.

Infelizmente, e segundo a análise de vários analistas, ainda teremos taxas Euribor elevadas, até pelo menos, o segundo trimestre de 2024.

Posted in Bancos and tagged , , , , .

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *